sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Olá

Oi gente, eu sou a Brubs, sou  nova aqui, espero que vocês sejam bonzinhos comigo xD
Bem, vou fazer uma apresentação rapidinha.
Tenho  16  anos, nasci de 13 de outubro de 1998 <3
Gosto de Rock, pop, punk, screamo, metalcore, hardcore, eletronica.
Moro no interior de SP, em São José dos Campos
E, acho que é só isso, qualquer coisa podem me mandar ask no meu tumblr (http://burri3d-alive.tumblr.com/),  ou perguntar nos comentários :D

Seja Bem-vindo


Desde  pequena sempre fui corajosa, mas aí ele apareceu, um louco, maníaco, pervertido, por mais que eu tentasse me esconder ele SEMPRE estava lá, certo, isso pode parecer clichê, eu sei, mas eu nunca senti algo tão aterrorizante como ele, desculpe, eu não me apresentei, prazer sou Bianca, uma canadense universitária, tenho meus vinte e poucos anos, embora pessoalmente pareço ter muito menos, e essa é a razão pela qual ele me persegue, ele me acha especial, queria poder descreve-lo, mas seu rosto muda de a cada palavra que eu escrevo aqui, uma hora ele parece ser alguém lindo, maravilhoso, outra hora ele parece ser um cara horrível, cheio de cortes,  com o corpo desconfigurado.
Por mais que eu tentasse me esconder, eu sentia ele perto de mim, o jeito que eu passava a mão pelo meu corpo enquanto eu “dormia”, mudei de casa 4 vezes, mas mesmo assim aquele sujeito continuava a me perturbar.
Já fui em psicólogos e em psiquiatras, mas isso nunca me ajudava, só piorava, pois cada vez que eu saia de casa para encontrar ajuda, quando eu voltava ele me machucava, eram cortes, socos, tapas e chutes cada vez mais fortes, eu já não tinha mais fé, até conhecer um cara, um filho da puta, ou o mesmo filho da puta que está do meu lado enquanto eu escrevo isso.
Ele prometeu me ajudar, e eu obviamente fraca, acreditei que esse estranho pudesse me ajudar, aliás não custava nada tentar, pelo menos era isso que eu achava.
Levei aquele cara até a minha casa e pedi para que examinasse, ele entrou na frente enquanto eu estacionava meu carro na garagem.
[...]
Entrei no meu quarto e tentei acender a luz do quarto,  em vão,  já que a lâmpada havia quebrado, acendi a lanterna do meu celular e eu não podia acreditar no que eu estava vendo, meu quarto estava cheio de sangue, mais sangue do que aqueles filmes de açougueiro,  senti um corpo atrás de mim e logo veio a primeira facada, gritei tão alto que podia sentir minhas veias estourando, não tentei me debater pois talvez morrendo eu teria a minha tão desejada paz, não me importei se a minha morte pudesse ser lenta e dolorosa, o importante era a paz.
Ajudei o trabalho deles me deitando na cama, junto com cobras, e outro bichos do quais prefiro não citar.
Novamente recebi uma facada agora próximo ou meu umbigo, uma mão começou a acariciar meu rosto.
- Você é especial, você é linda, você é a escolhida, parabéns – Ele dizia como se isso fosse uma coisa boa – Eu queria ficar com você, mas eu sou tão estranho, tão feio, tão ridículo.
Fiquei calada, não queria responde-lo, apenas fiquei quieta esperando o próximo golpe.
 - Você não vai morrer, não agora, primeiro você vai contar essa história, e depois vai ser batizada conosco.
[...]
E aqui estou eu, lhe contando a minha história, espero que você não se identifique, pois ele pode estar aí, pronto para te levar nessa jornada doentia em busca de um “amor”.
Seja bem vindo.

Ah antes que eu me esqueça, quer saber quem é ele? Olhe dentro do seu guarda roupa. ;) 

sábado, 3 de janeiro de 2015

Dormindo sozinho

Você já se sentiu sozinho?

Não "sozinho" como quando você não tem ninguém para conversas, ou quando não tem amigos para sair com você no sábado à noite.

Quero dizer sozinho. Verdadeiramente, assustadoramente sozinho. Tão sozinho que você consegue ouvir aquela voz ecoando pelas paredes.

Eu sei que você consegue ouvir. Não consegue?

Sozinho. Você deve nunca ter se sentido verdadeiramente sozinho. Coisas como essa são perfeitamente comuns.

Aliás, como vai o seu sono? Você se sente seguro? Suas portas estão trancadas? Não se preocupe, não há razão para ter medo. Você está sozinho. Só você e ninguém mais.

Tão sozinho que você consegue ouvir aquela voz ecoando pelas paredes. Tão sozinho que você pode escutar alguém com você. Muito, muito sozinho.

Nenhum momento... é mais perfeito... que agora. Mas tudo bem. Ele pode esperar. E lembre-se, durma profundamente. Eu não gostaria que você acordasse.

Porque, no fim das contas, você pode não estar tão sozinho.

Fonte: Creepy Stories
Tradução e adaptação: Capitu