segunda-feira, 31 de março de 2014

Bonequinha de Luxo

O meu nome é Michael, e eu queria dizer que... Amanda é o amor da minha vida. Ela é perfeita, quase uma boneca. Eu amo cada um de seus traços, ela é a reunião de tudo o que eu mais amo nas mulheres. Já tive muitas namoradas que reuniam algumas dessas características, mas só Amanda tem todas elas.
Ela tem lindos olhos verdes-água, como os da minha primeira namorada, Meg. Começamos a namorar no primeiro ano do Ensino Médio, e eu jamais esqueci de seus olhos verdes que tanto me lembravam do mar, mesmo após ela me dispensar sem motivos. Felizmente, agora eu posso olhar para Amanda e me lembrar do mar sem todas aquelas recordações dolorosas pós-fim com Meg.
E o que dizer do seu longo cabelo loiro e ondulado? Só tive uma namorada loira, Sophie. O problema é que ela queria ser livre demais, e, quando eu tentava lembrá-la de que ela era uma moça comprometida, ela se irritava e me acusava de ser muito possessivo. Acabou sendo esse o motivo do fim de nosso namoro. Mas eu sei que com Amanda eu não terei o mesmo problema que tive com Sophie.
Sua pela é tão branca e macia, sem um único sinal ou marca de nascença. Me lembra de Carrie, provavelmente a namorada mais vaidosa que eu tive. Ela tinha todo um cuidado especial com seu corpo e pele, e seu único defeito eram os pés grandes demais, o que ela conseguia esconder calçando sapatilhas.
Mas fora isso, Carrie era linda, tinha belos quadris empinados e um corpo formidável, à exceção dos seios, que eram pequenos. Eu não aguentava os olhares dos outros nela. Terminamos por isso. Amanda tem um corpo maravilhoso como o de Carrie, mas com os seios maiores e pés mais delicados, como os de Veronica, outra namorada minha.
Amanda é simplesmente perfeita. Ela tem tudo que eu mais amo. E os outros homens respeitam nosso amor. Eles não olham pra ela como olhavam para minhas exs. Eles sabem que ela é minha.
Eu admito, Amanda me deu algum trabalho. Tive que suar até que eu pudesse tê-la em meus braços, chamá-la de minha. Eu passei noites em claro, mas finalmente consegui juntar os pedaços das minhas ex-namoradas em um corpo só, mas, agora que ela está pronta, eu devo dizer que valeu a pena. Foi doloroso ter que matar as mulheres que um dia tanto amei, mas foi melhor assim, porque é graças a isso que eu tenho Amanda agora. Ela é minha bonequinha de luxo, e eu a amarei para sempre.

------
Autora: Capitu

O conto das duas irmãs



Bem, aqui está. Esta é a minha história. Eu não sei se o jogo ou o console era "assombrado", mas era muito assustador. Sinto muito se a história fosse preocupante para alguns leitores ou ouvintes. Estou apenas tentando explicar tudo o que puder sobre a minha experiência estranha.

Eu estava em casa com a minha namorada. Ela estava fora de casa e eu estava em casa assistindo TV. Então eu recebi um telefonema. Era um velho amigo da faculdade.

"Ei!" disse ele.

"Oi".

"Ainda não falo com você há algum tempo, não é?

"É. Então, o que está acontecendo?"

"Eu queria saber se você queria vir até a minha casa para jogar alguns vídeogames. Você quer?"

"Claro."

Eu desliguei. Eu não tenho jogado videogames a o quê? 5 anos? A minha namorada chegou em casa e eu lhe disse que iria sair, eram 8:30 da manhã. Eram 4:00 da tarde quando eu decidi me preparar para a sair . Eu entrei no meu carro e tomei meu rumo até a GameStop para comprar um jogo ou dois. Eu tinha um velho PS3 no meu porão que eu ganhei um tempo atrás em um concurso.

Quando cheguei a GameStop, a primeira coisa que chamou minha atenção quando eu entrei era uma cópia do Assassins Creed IV: Black Flag. O jogo tinha acabado de sair, então eu estava ansioso para jogar. Eu joguei dois jogos de Assassins Creed e eles foram realmente bons e divertidos. Eu peguei, verifiquei, e eu voltei para casa.

Eu queria jogar o jogo um pouco antes de eu ir lá. Eram 16:45 e eu ainda tinha tempo suficiente para se sentar e jogar. Eu peguei o meu PS3 do porão, conectei, e deslizei o jogo para o console.

A primeira coisa que notei sobre o jogo é que ele era muito bugado. Era como um arco-íris colorido de cores bem na minha cara e eu mal podia distinguir uma imagem de outra.

A imagem era de duas meninas, em vestidos brancos, e ambas tinham o cabelo castanho escuro. Elas pareciam não ter mais de 10, e isso me assustou um pouco. Elas pareciam exatamente a mesma, por isso eu achava que eram gêmeas. Foi estranho, porque isso definitivamente não era o jogo como estava na tela do título ou no cartucho. Eu ignorei e continuei jogando sabe-se lá por que. Como eu nunca tinha jogado o jogo antes, isso poderia ser parte da introdução.

As cenas foram basicamente um grande borrão e eu não conseguia entender o que era aquilo. Mas quando cheguei ao inicio do jogo, eu sabia que algo não estava certo.

Era uma terra árida. Não havia pessoas, objetos ou edifícios. Apenas eu. Enquanto eu andava notei algo á distância. Havia dois ganchos, ambos com duas cordas penduradas neles. Achei que eles foram usados ​​para enforcar pessoas. E então, enquanto eu estava inspecionando as cordas e ganchos, as duas meninas da tela de introdução apareceram bem ao lado dos dois ganchos. 

Foi assustador e isso me fez saltar em surpresa. Eu não esperava vê-las novamente. Houveram fracos sussurros e eu mal conseguia entender o que elas estavam dizendo. Soou como: "Venha, venha. Nós não vamos te machucar. Venha, por favor."

Eu estava totalmente assustado neste momento. Eu tentei usar a logica por um segundo. Talvez as duas meninas tivessem se enforcado no passado?

Então, elas começaram a se aproximar das cordas, e, como se estivessem lendo minha mente, elas amarraram a corda em volta de seus pescoços. A estavam mortas.

Eu imediatamente desliguei o console depois disso. Eu definitivamente não iria parar por ali.

Eu liguei o meu computador e fiz algumas pesquisas sobre as meninas. Isto foi o que eu encontrei:

"Duas irmãs, Eleanor e Janice, acreditava-se terem cometido suicídio por enforcamento. Elas aparentemente fezeram isso no porão. Quando a mãe desceu e viu a cena horrível, ela imediatamente sepultou-as em seu quintal. Ninguém sabe por que elas fizam isso, e mantem-se o mistério até hoje ... "

Bem, elas se enforcaram e agora eu sei seus nomes. Decidi ligar o jogo novamente.

Quando eu liguei de volta, Eleanor e Janice não estavam mais na tela da introdução. Ainda era uma terra árida no jogo, e eu poderia realmente ver o que estava acontecendo em cenas cortadas. Enquanto eu estava, de novo, andando em volta do terreno baldio, me deparei com um alçapão, que levava para baixo. Eu o abri, e desci.

A primeira coisa que vi foi um pequeno sofá, dois ganchos e as cordas novamente. Esquisito, porque acreditava-se que elas teriam se enforcado em um porão. As duas meninas apareceram novamente. Desta vez, na minha cara. Eu pulei de susto pelo grito agudo que ambas deram, e eles me disseram:

"Va... Embora ..."

Eu fui imediatamente para trás até as escadas subi, e sai para a superfície novamente. Desliguei o jogo.

Voltei para a GameStop por volta das 19:00. Eles disseram que iriam levar o jogo e se livrar dele o mais rápido possível. Eu também recebi o meu dinheiro de volta.

Depois da noite na casa do meu amigo, eu voltei para a minha às 11:30 da noite. Fui para a cama, e tudo que eu conseguia pensar era na Eleanor e na Janice. Eu definitivamente queria obter mais informações sobre elas. E quando eu fechei meus olhos, vi as duas, sorrindo para mim, com as cordas em suas mãos.


---


Tradução: Miss Insipida
Fonte: Creepypasta Wiki

domingo, 30 de março de 2014

SCP-1650

Pensou que a série tinha acabado, não é? Pois é... só que não acabou kk Bem, agora ela está voltando pra valer! Toda semana, domingo à noite, trarei um SCP novinho em folha pra vocês!
Fonte: SCP Foundation
Tradução: Capitu
------
Item#: SCP-1650
Classe: Safra
Procedimentos de armazenamento especiais: O SCP-1650 deve ser guardado em uma Unidade de Armazenamento de Artefatos na Área 19, na Ala de Objetos De Muito Valor. Por causa do interesse especial de hostis Grupos De Interesse no SCP-1650, detalhea de segurança para ele devem seguir o Protocolo de Defesa Epsilon-168. Qualquer uso do SCP-1650 deve ser autorizado pelo diretor do projeto, Dr. Dunson.

Descrição: O SCP-1650 é um pote de óleo feito de barro, que data do Período Hasmônio da Judeia (cerca de 170 a.C.). Na parte de baixo do SCP-1650 há uma inscrição em hebraico, que acumuloy bastante poeira ao longo do tempo.

"
ויאמר ה' ל— סח השמן על בשרך ולך בינות ה— כששם אלוהים על שפתיך, וזעם ה' וחרון אפו ו— דם המכבים יטהר בית מקדשו אחריך, לנצח נצחים

"

Quando em pé, o SCP-1650 parece estar vazio, mas, se for inclinado e segurado em um ângulo específico por 30 segundos, um óleo (SCP-1650-1) será derramado, dependendo do ângulo de inclinação.

- 45°(SCP-1650-1-A): Azeite de oliva, virgem. O óleo produzido advém de técnicas de manufatura e sementes de oliva utilizadas na Judeia no século II a.C.

- 50° (SCP-1650-1-B): Enquanto é muito parecido com o SCP-1650-1-A (aparência, cheiro, gosto, estrutura molecular), ingeri-lo causa náusea, dor abdominal e vômito, seguido de arritmia cardíaca, tremores, desmaios e finalmente morte em 87% das cobaias, dano cerebral permanente em 12% delas e nenhum efeito nos 1% restantes. Autópsias mostraram a causa das mortes como sendo uma forte intoxicação por oleandro, apesar de não terem sido encontrados quaisquer traços de oleandro ou de Nerium oleander no óleo antes da ingestão.

- 65° (SCP-1650-1-C): Oléo desconhecido, claro e transparente. O SCP-1650-1-C não possui quaisquer propriedades anômalas, a menos que seja usado como combustível em uma fonte de luz. Nesse caso, queimará por um período que varia entre 24 e 63 horas. O processo de combustão não produz calor e não requer gás oxigênio.

- 90° (SCP-1650-1-D): Oléo desconhecido, vermelho. Quando usado em matéria inorgânica, o SCP-1650-1-D aje como um preservativo (por exemplo, evitando ferrugem quando aplicado em metais). Quando aplicado a matérias orgânicas vivas, assume propriedades corrosivas. O SCP-1650-1-D não tem efeito em matéria orgânica morta, e esta pode ser utilizada para aplicar, de maneira segura, o óleo em outros materiais. Efeitos no sangue: Aparentemente, o SCP-1650-1-D apaga qualquer traço de sangue com o qual entrar em contato (em uma razão de 10cc de óleo para 500cc) de sangue. Qualquer ingestão ou injeção de uma quantidade significativa do SCP-1650-1-D vai rapidamente se tornar fatal, por causa da imediata perda de sangue. Se não for aplicado a uma matéria orgânica até 30 segundos depois de ser derramado do SCP-1650, o óleo perderá suas propriedades anômalas. Testes com o SCP-1650-1-D revelaram traços da flor de Helichrysum sanguineum.

O SCP-1650 é capaz de produzir 2 litros de cada um dos óleos acima até se esvaziar, e reencherá suas reservas depois de ficar em pé por um período de 28 horas.

Notas de rodapé:
1 - "[ILEGÍVEL] E assim disse o Senhor a [ILEGÍVEL] Põe o óleo sobre tua pele, e vá em meio a [ILEGÍVEL] Com o nome do Senhor sobre seus lábios, e a fúria Dele irá [ILEGÍVEL] O Sangue Dos Macabeus purificará a Sua Casa atrás de você, por toda a eternidade."
2 - "E então Sansão disse 'Deixe-me morrer com os filisteus'. Então ele empurrou com toda a sua força, e a casa caiu sobre os senhores e sobre todos os que estavam na casa, e aqueles que Sansão matou em sua morte foram mais que os que ele matou em vida"

sábado, 29 de março de 2014

10 coisas bizarras que já foram feita com pele humana!

....Oii Dark People,tá eu sei muuuuito bem que já postei hoje,mas sério... Eu precisava muito fazer este post,olha aí!
Fonte:Interessante nota 10
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


10-tambor
10-TAMBOR


Um comandante militar do século XV, Jan Ziska, que liderou batalhas sangrentas na Áustria e Morávia, foi acometido pela praga depois de várias guerras. Quando estava em seu leito de morte, ele ordenou que  a pele de seu corpo deveria ser retirada, curada e esticada sobre um tambor para ele continuar aterrorizando o inimigo no campo de batalha com a sua bravura.
  9-COLETE
 Durante o Reinado do Terror na França do século XVIII, Saint-Just cresceu para se tornar um líder político e cruel comandante militar. Há uma história de que Saint-Just estava dando umas investidas em uma bela mulher, mas foi completamente desprezado. Em um dia de fúria, ele prendeu e matou a dama, sendo que a pele da moça foi removida por um cirurgião, curada e transformada em um belo colete da moda, que ele usava todos os dias.
8-Porta-charutos 

 Henri Pranzini, um criminoso assassino francês, do final do século XIX, teve um julgamento que causou sensação em todo o mundo e terminou os seus dias na guilhotina. Dizem que os pedaços de seu corpo foram vendidos para colecionadores ávidos por um tiquinho do assassino infame. Alguns documentos dizem que um membro da polícia secreta pegou alguns pedaços de pele de Pranzini para fazer um porta-charutos.
7-Livro 

 Hoje presente na coleção da biblioteca Athenaeum de Boston, há um exemplar chamado “Hic Liber Waltonis Cute Est Compactus” (Este livro é encadernado com pele de Walton). George Walton era um famoso assaltante do século XIX, que morreu de tuberculose na prisão em 1837.   
Antes disso, ele pediu que, após seu último suspiro, sua pele fosse removida e usada para encapar um volume de sua autobiografia, que seria apresentada a John Fenno, uma ex-vítima de roubo que teria bravamente sobrevivido após ter sido baleada. O livro permaneceu na família de Fenno até ser doado à biblioteca.
6-Porta-Cartão 
 Dois assassinos do século XIX, William Burke e William Hare, mataram 17 pessoas em Edimburgo, na Escócia, e venderam seus corpos para um médico para fins de dissecção. Burke foi condenado e enforcado. Porém, assim como aconteceu com as suas vítimas, o seu corpo foi dissecado e algumas partes serviram para fazer alguns objetos. 
Entre os itens estão um livro de bolso e um porta-cartão de visita muito elegante, que foi feito a partir da pele de sua mão esquerda. O objeto está em exposição no Centro de Informação da Polícia Royal Mile, de Edimburgo.
5-Carteira 
Em Morristown, New Jersey, em 1833, o imigrante francês Antoine LeBlanc espancou três pessoas até a morte e roubou vários de seus pertences. Ele foi preso, condenado e sentenciado à forca. O juiz também ordenou que o corpo do assassino fosse dissecado.Segundo relatos, a pele foi curtida e usada para a produção de carteiras e bolsas. Outras tiras da pele foram assinadas pelo xerife Ludlow (o homem que capturou LeBlanc) e vendidas como lembranças para curiosos. 
4-Bota 

Em 1876, o Sr. Mahrenholz, um sapateiro de Nova York que gostava de experimentar diversos tipos de couro, obteve a pele da barriga, costas e nádegas de dois idosos não identificados. Eles haviam morrido e sido dissecados. Depois de curtir os pedaços de pele, o sapateiro fez uma bota e enviou para o Instituto Smithsonian, em Washington, onde ela permanece até hoje.

3-Chinelos 

 Por volta de 1633, o rei francês Luís XIII fundou o Cabinet du Roi, um museu privado ou gabinete de curiosidades no Palácio de Versalhes, contendo alguns itens interessantes. No final do século 18, um cirurgião de Paris, Pierre Sue, doou um par de chinelos feitos de pele humana para o Cabinet.
2-Sapatos femininos 

 Hermann Boerhaave, um famoso médico holandês e botânico em Leyden, do início do século 18, era dono de uma coleção particular de curiosidades, incluindo o que foi relatado como um par de sapatos femininos feito de couro obtido a partir da pele de um criminoso executado. Além disso, os modelos tinham um detalhe bizarro: os mamilos do “doador” da pele foram aplicados como principais detalhes na parte de cima.
1-De tudo um pouco 
Durante a Revolução Francesa, alguém notou que um recurso potencialmente valioso estava sendo desperdiçado: os corpos de pessoas executadas pela guilhotina. Com isso, a Comissão de Segurança Pública deu permissão para usar um castelo nos arredores de Paris como um curtume para processar couro de pele humana. Na época, um grande número de cavalheiros usavam calças e botas feitas a partir do produto, que era dito como flexível e de alta qualidade. 

5 das piores coisas encontradas no corpo humano '--'

"Uar rardi prai rardi,uar rardi prai rardi" Oii Dark People,o post de hoje vai ser mais bizarro do que eu cantando David Guetta '--',antes de tudo eu queria pedir desculpaaaaa pela a minha falta de posts bizarros,estava estudando e a droga da net caiu...Bem,já passou o/ agora vamos para o post '--'
(Se você tem o estômago fraco,então MORRA,não zoeira '---')
Fonte:Ah duvido
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
5. Uma bola de pêlo gigante
Não, não era o Tony Ramos, mas uma jovem de 19 anos, que entrou no hospital queixando-se de fortes dores abdominais, vômitos e uma absurda perda de peso no Centro Médico da Universidade de Chicago, no ano 2007. Perder uma magnitude dessa de peso significaria o quê? Um membro amputado? Será que ela deu a luz a um anão adulto?
Seguindo o protocolo de atenção básica tiraram uma radiografia e verificaram uma massa densa e negra no abdómen da cabocla, classificada pelos médicos como uma ‘colônia de aranhas’.
Outros exames se seguiram e foi “diagnosticado” um tumor. E aí, o que fazer agora? Operar, claro. Abriram a coitada pra tirar a porra do tumor e qual foi a surpresa? Sim, uma bola de pêlos, mas não era uma bola de pêlos qualquer. Aquela coisa nojenta tinha 10 kg . De pêlo (a garota carregava o primo Itt da Familia Addams na barriga). Afinal, mas que diabos essa mulher fazia da vida? Será que ela tinha um leão de estimação? Será que ela era a responsável por comer todos os cabelos encontrados em sopas do universo?
A única coisa que eu sei é que a entrevista do pós operatório deve ter sido bizarra.
É, meu amigo, já pensou essa porra no teu abdómen?

isso pode acontecer comigo?
Pode, se você for como essa mulher aí. Ela sofre de um problema chamado tricofagia que nada mais é do que uma compulsão por comer cabelos, pelos e unhas (não é apenas roer a unha, ok, é comer ela inteira). OK, com certeza essa doença dela é bem avançada e ela devia ser casada com o Chewbacca, mas de qualquer forma é bizarro.
Há ainda uma complicação dessa tricofagia chamada de Síndrome de Rapunzel, onde ocabelo acumula e serpenteia no intestino. Sinistro!

4. Minhoca no cérebro
Bateria de exames e lá vem o diagnóstico: Tumor no cérebro. Aí você pensa: FUDEUUUU. Você vai para a cirurgia com o frio correndo na espinha e no pós-operatório chega o médico e fala: “Não era um tumor”. Alívio! “Era uma minhoca” WAT??!
É meu amigo, essa é a história da Rosemery Alvarez, que deu entrada no hospital do Arizona queixando-se de dores de cabeça e visão turva. Como ela já possuía o diagnóstico de um tumor cerebral, foi direto pra sala de operação. E o que acontece quando abrem a cabeça dela? Riem. Isso mesmo, os médicos caíram na gargalhada. Agora pensa na cena, o cara lá com o braço entalado no teu cérebro e começa a rir, o que você pensa (ou pensaria se estivesse consciente)? “Caralho, além de fudido eu devo ser MUITO BURRO.”
Mais tarde o médico confessou que riu porque ficou aliviado por não ter nada de errado com ela. Espera, espera. TINHA UMA PORRA DE UMA MINHOCA NO CÉREBRO DA MULHER E NÃO TINHA NADA DE ERRADO COM ELA? “É minha senhora, graças a deus o que tinha na sua cabeça era só um vermezinho, coisa pouca.”isso pode acontecer comigo?
Pode. Mas não, o parasita não controlará seu cérebro. O que aconteceu com a Sra. “Eu dou carona para parasitas” Alvarez é extremamente improvável, afinal, a maneira comum de se pegar uma tênia é comendo carne, geralmente de porco, mal passada, contendo larvinhas encapsuladas. Isso é até bastante comum, principalmente em lugares com baixo saneamento básico. De qualquer maneira, as tênias preferem viver no intestino, roubando a comida lá.
A única maneira de ter uma minhoquinha no cérebro é comendo material fecal humano, e, como a Sra. Alvarez não parece ser do tipo que curte um 2 Girls 1 cup, a hipótese mais provável é que ela tenha comido alguma comida premiada, provavelmente por falta de higiene do cozinheiro.
Com certeza, ela deu uma paradinha para comer aqui!
3. 30 imãs
Que crianças são idiotas todo mundo sabe, é natural. Enquanto olhamos para algo com nojo elas olham e pensam: ” Hmmm, que gosto será que tem isso”.
Uma balinhaaa!!

O caso é o seguinte, uma antinha criança de oito anos deu entrada no Hospital de Indiana, nos EUA, com dores estranhas no estômago. Como não é nada incomum crianças engolirem coisas, fizeram um Raio-X e já viram que era disso as dores.
Mas o que isso tem de bizarro? Simples meu amigo. A criança engoliu 30 imãs, um de cada vez, o problema é o que os imãs se juntaram na barriga da coitada, e não iam se soltar. Ou seja, a criança ia ter que evacuar tudo de uma vez. E cagou! Ficou tudo bem com ela mas os médicos falaram que foi a merda mais engraçada que eles já viram.

 isso pode acontecer comigo?
Oh, pelo amor de deus NÃO. Espera-se que não pelo menos. Agora, se você tiver um pentelho em casa, sim.
Acontece que a criança esperta aí comeu os ímãs achando que era bala. Convenhamos, essa criançada é meio estranha: come algo que parece com bala, mas tem gosto de ferrugem, e gosta? Qual é a lógica disso? Bom… o ser humano, é na natureza o animal mais dependente na primeira etapa da vida… um bezerro, por exemplo, mal nasce e já sai caminhando. Alguns animais começam a caçar com três meses de vida. O Humano, contudo, não sabe distinguir o que é bom ou ruim para o seu organismo até seus 9 anos de idade. Vai entender a natureza?!

Olha só, imãzinhos!
O pai da criança disse que não sabe como isso aconteceu, mas que sentiu falta de alguma peças do jogo. Mas que já tinha ensinado o filho a não fazer coisas como essa. Mal ele sabe que crianças tem por regra comer qualquer coisa que caiba na sua boca. Fato.
Háá, olha pra mim, eu sou um devorador de brinquedos!
E qual a solução?
Prender toda e qualquer criança em uma jaula até os 10 anos. Simples. HAUAUAuHHUAauhuhahHAUa. Deixando a brincadeira de lado, pais de primeira viagemdevem analisar o tamanho do objeto, se a criança consegue ingerir pelo tamanho compatível, mantenha fora do seu alcance.
2. O homem “grávido”
Antes que algum anônimo comente, não, não é aquela mulher que fez cirurgia de mudança de sexo. O caso é o seguinte: Em Napgur, na Índia, Sanju Bahgat sempre foi zuado pelos brothers por ter uma barriga de grávida. E nós sabemos como é cruel nossos amigos zombando de nossos problemas físicos.
Num dia aí, ele foi para o Hospital com falta de ar e dor intensa no abdómen, e quando os médicos abriram a barriga dele para tirar o que suspeitavam ser um tumor ficaram alucinados com a descoberta: “Não, não é possível, ele só pode estar brincando…”
Sim, como você já previa (se leu o título), tinha um feto parcialmente formado na barriga do magrão. Filho da puta, pensa no cara descobrir que tem um bebê na barriga a vida inteira. Isso é como um filme bizarro de um diretor ridículo.
Rídiculo tipo esse!
A reação do médico, segundo testemunhos, foi chacoalhar as mãos em abominação, sem entender uatáporraisgoing estava acontecendo. E aí vem a perguntiha de sempre
 isso pode acontecer comigo?
Acredite, pode, mas por sorte, há menos de 90 casos dessa doença documentados no mundo, mas 100 nunca é demais, não é? É chamada em inglês de fetus in fetu e significa, basicamente, que o indiano barrigudo aí tinha um irmão gêmeo que cresceu dentro do corpo dele. Sim, é sério. Meio que parasitando o irmão crescidinho, o feto tava lá de boa, numa espécie de Halloween eterno.
1. Dieta rica em Ferro
Os médicos do Hospital Geral do Estado levaram um baita susto quando esse Alagoano esfomeado entrou com uma queixa de fortes dores abominais e diarréia . Eles tiveram de operar um paciente, depois da endoscopia que mostrou um quadro um tanto confuso tamanha era a muvuca demonstrada. O que foi encontrado no estômago foi nada mais nada menos que cerca de 3 Kg de metais. Para piorar, um ímã juntava os metais e impedia que eles fossem liberados normalmente pelo organismo.
Em entrevista ao repórter Wescley Costa, do Fique Alerta, da TV Pajuçara de Maceió (AL), o cirurgião-geral do HGE, Luís Ferreira, contou que o paciente, Josué Ílton dos Santos, de 27 anos, vindo de São Miguel dos Campos, foi internado no Hospital Constância com diarréia. Depois dos exames, foi feita uma endoscopia, que descobriu a grande quantidade de objetos metálicos no estômago dele.
O paciente foi submetido a uma cirurgia, que durou cerca de uma hora.
- Encontramos 22 chavesum miolo de relógio4 pulseiras de relógiooito moedas50 parafusos pequenos e quatro grandespregosmolas de pregador de roupaquatro fusíveisduas agulhas de costura31 pedaços de gilete e um pedaço de ímã, contou o médico, ainda surpreso, acrescentando que também foram achados uma tesourabotõeslinha e outros objetos metálicos.

TV Pajuçara

quarta-feira, 26 de março de 2014

Um homem bom e cristão

Eu sou um homem bom e cristão. Sou um servo de Deus, não um seguidor do pecado. Por toda a minha vida, minha mãe repetiu a mesma frase.

"Por que Deus nos daria mãos, se só vamos sujá-las?" Ela dizia isso sem qualquer emoção, fora a carranca com a qual eu já estava acostumado. Nós não éramos próximos, você pode perceber, mas seremos quando nós, pessoas de Deus, estivermos no céu.

Eu cresci com minha mãe e uma enorme quantidade de padrastos pagãos. Meu pai verdadeiro era um homem bom, mas era católico, enquanto que minha mãe era luterana, de modo que ele e minha mãe sempre discutiam sobre o amor de Deus. Uma noite, quando estava dormindo, eu fui acordado com o barulho de algo quebrando. Eu me levantei para encontrar meu pai morto no chão da cozinha, uma faca em suas costas, e uma poça de seu próprio sangue ao seu redor. Como qualquer ser humano racional, eu comecei a entrar em pânico, mas minha mãe me acalmou.

"Deus deixa viverem aqueles que merecem, e os que não merecem, devem ser enviados para o..." ela disse, e quem era eu para contestá-la?

Ela estava certa, meu pai adorava um homem profano, e ele não podia viver e arriscar tirar a santidade e a santa essência da nossa humilde morada, mas como Deus pudera tirar MEU pai? Ele certamente era merecedor do amor de Deus.

Minha querida mãe nunca aceitou muito bem ser questionada, e nem que o Senhor e seu trabalho fosse questionados. Cicatrizes são eternas, e lições de mãe também. Naquele dia, ela me ensinou o que era Deus. Durante o resto de minha infância e subsequente adolescência, minha mãe foi corroída pela culpa. Foi nessa época que aquela frase se tornou sua marca registrada.

"Por que Deus nos daria mãos, se só vamos sujá-las?"

Ela tentou encontrar o amor, ela realmente tentou, mas eu não podia deixá-la cair na armadilha de Satanás. Eu sempre ficava acordado até tarde, vendo cada um de seus pretendentes. Observando-os.

Cada prostituta que contratavam, cada filme pornográfico, eu vi tudo. Então, eu peguei a nossa velha faca de cozinha e fiz o trabalho de nosso Senhor e Salvador, e, pode ter certeza, mamãe descobriria tudo. Nós jogávamos os cadáveres sangrentos no tanque de ácido, e minha mãe permanecia sem emoção. Eu tentava fazer piadas, cheguei a tentar transformar aquilo em nosso pequeno jogo, mas ela nunca queria. Ela fazia o tipo rígido.

Bem, logo logo, eu teria que me mudar e começar a fazer faculdade, mas eu me recusei. O trabalho do Senhor tinha que ser feito o quanto antes, então eu me mudei para o centro da cidade, comprei uma casinha barata perto da Igreja Luterana do centro, e encontrei um emprego lá como zelador, para que eu pudesse estar sempre com Ele. Depois de um ano ou dois, a vida com Deus estava sendo maravilhosa, até que aqueles dois homens entraram na casa do Senhor.

Estes dois homens eram diferentes. Eu imediatamente presumi o pior, e comecei a pesquisar sobre suas vidas. Eu rapidamente descobri que seu endereço: 16 N, Chester Lane. Comecei a espioná-los, tentando encontrar alguma confirmação da terrível verdade que eu estava para descobrir: eles eram gays.

Eu tentei ser "tolerante" no começo, mas logo percebi que não eram possível. Aqueles dois - aquelas duas BICHAS sentadas na casa do NOSSO Senhor! NOSSO Salvador! Então, eu fui até eles após o culto. Eu disse tudo a eles. Que eu sabia de sua união profana como Homem e Homem. Eles não entenderam direito até eu pegar a velha faca marcada com sangue. Eles imploraram por suas vidas; um deles até mesmo arriscando a própria vida para salvar a do outro, mas eu não podia permitir. Eles não eram pessoas de Deus, e alguém precisava se livrar deles.

Depois de fazer o que tinha que ser feito, eu levei seus corpos até sua casa. Eu coloquei a faca em uma das feridas no corpo de um deles, posicionei sua mão ao redor da faca, e virei o outro de bruços. Eu fiz o que tinha que ser feito.

Eu sou um homem bom e cristão, fazendo o trabalho de Deus.
__________
Fonte: Creepypasta Wiki
Tradução e adaptação: Capitu

terça-feira, 25 de março de 2014

Cupcakes - creepypasta original

Antes que alguem pergunte por que pus o tilulo assim é porque existem outras versões dessa creepypasta rolando na net, porém essa é a original. 

O ar estava quente, o sol estava brilhando, e todos de Ponyville estavam tendo um dia glorioso. A praça da cidade era movimentada e cheia. Pôneis ocupadas estavam fazendo seu caminho ocupando as ruas. Todo o povo pônei parecia ter algum lugar definido para ir. Todos, com exceção de Rainbow Dash. Seu lugar era no céu. Ela cortou livremente o ar, acelerando de uma forma ou de outra. Ela tocou as copas das árvores e correu ao vento. O Pegasus voou sobre uma escola, para o deleite das crianças. Escalando várias centenas de metros, ela mergulhou, indo tão rápido quanto podia. Segundos antes de bater no chão, as asas se abriram e ela se atirou de volta para o azul claro. Rainbow Dash se sentia viva.

Então lembrou-se que tinha um lugar para ir, ela deveria se encontrar com Pinkie Pie em cinco minutos. Ela estava tão presa em seus exercícios de voo que ela quase esqueceu.

Pinkie pediu para encontra-la em Sugercube Corner ás três da tarde. Ela não disse o porquê ou o que estaria fazendo, mas sabia que, com a Pinkie, poderia ser qualquer coisa. No entanto, ela não tinha certeza se ela realmente queria ir. Ela estava tão envolvida com suas acrobacias que ela pensou em dispensar Pinkie para continuar voando. Mas, a consciência de Dash levou a melhor sobre ela. Ela sabia que ela iria ferir os sentimentos da Pinkie, afinal, ela disse que ia ser algo especial só para elas duas. Ela reconsiderou e pensou "por que não?." O que ela teria a perder? Nossa, poderiam ser mais pegadinhas! Pinkie pode ter encontrado um monte coisas das mais divertidas para pegar nas pessoas. Elas tinham muito divertido da última vez. Dash acelerou na ultrapassagem, principalmente para recuperar o tempo perdido, e correu para seu encontro.

Quando ela entrou na loja, ela foi imediatamente saudada pela anfitriã pulando de empolgação.

"Yay, você está aqui, você está aqui. Eu estive esperando toooodo dia. ", Disse a pônei saltando.

"Desculpe se eu estou um pouco atrasada, Pinkie. Eu estava fazendo meus exercícios da tarde e perdi a noção do tempo. " Dash se desculpou.

Pinkie riu e respondeu, seu tom era tranqüilizador e alegre: "Oh, esta bem , você está aqui agora. O que há com esperar mais alguns minutos. Estive muuuito animada pensando em todas as coisas divertidas que vamos fazer, eu não parei de saltar desde que acordei. Quer dizer, eu quase esqueci de respirar de tanta animação ".

Rainbow Dash deu uma risada um pouco desconfortável. Ela sempre apreciou a amigável maneira de Pinkie Pie, sempre positiva em relação a vida, mas o seu entusiasmo mais que abundante quase a assustou. Dash porém foi educada. Se Pinkie entrou entrou nessa e funcionou, então isso deveria ser bom, fosse o que fosse.

"Então, você está pronta para começar, Rainbow Dash? Tenho tudo preparado. " Pinkie disse.

Dash empolgado-se voando para cima. "Claro que sim, Pinkie! Você o que você planejou? Nós vamos pregar uma peça em alguém? Tenho umas boas pegadinhas que estive pensando. Ou talvez você tenha alguns truques na manga, o que você acha que eu deveria tentar? Talvez-"

"FAZER CUPCAKES!" Pinkie alegremente anunciou.

"...Cozinhar?" Dash estava decepcionada. "Pinkie, você sabe que eu não sou boa cozinhando. Lembra da última vez? "

"Ah, isso não é de todo um problema. Eu só preciso de sua ajuda para fazê-los. Eu vou fazer a maior parte do trabalho. ", Explicou Pinkie.

Rainbow Dash pensou sobre isso por um segundo e respondeu: "Bem..., tudo bem, eu acho que  esta ok por mim. O que exatamente você precisa que eu faça? "

"Esse é o espírito! Aqui está. "Pinkie pie entregou a Rainbow Dash um cupcake.

Dash ficou intrigada "Eu pensei que você quisesse que eu ajudandasse você a assar."

"E você vai. Eu fiz este apenas para você um pouco antes de você chegar aqui.

"Então, é esse teste para o sabor ou algo assim?"

"Algo assim", disse Pinkie.

Dash deu de ombros e colocou a massa na boca. Mastigou um pouco e engoliu. Nada mal.

"Ok, e agora?", Perguntou Dash.

"Agora", Pinkie informou sorrindo "Você tira um cochilo."

Ao ouvir isso, Dash se sentiu tonta. Seu mundo girou e, segundos depois, ela caiu no chão.

Quando Rainbiw Dash recuperou a conciencia, ela encontrou-se em um quarto escuro. Ela tentou sacudir a cabeça, mas descobriu que havia uma pulseira de couro esticada que a manteve firme no lugar. Ela lutou para se mover, mas as chaves em torno de seu peito e membros estavam coladas à pranchas verticais. Suas pernas estavam separadas. A única parte dela não estavam amarradas eram suas asas, ja que o quadro era sem encosto. Enquanto ela se contorcia, Pinkie saltou para a sua linha de visão.

"Que bom, você está acordada. Agora podemos começar. "Ela alegremente afirmou. Ela estava empurrando um carrinho coberto com um pano branco.

"Pinkie, o que está acontecendo? Eu não consigo me mexer! "Disse Dash preocupada.

"Bem, duh, você está amarrada." Pinkie repreendeu "É por isso que você não pode se mover. Eu não acho que você não precisava dizer isso. "

"Mas por quê? O que está acontecendo? Eu pensei que você tivesse dito que eu ia para ajudar a fazer cupcakes! "

"Você está ajudando. Veja bem, eu estou sem o meu ingrediente especial e eu preciso de você para conseguir mais "

"Ingrediente especial"? Dash agora estava respirando pesadamente e começando a entrar em pânico. "Que ingrediente especial"?

Pinkie riu e respondeu: "Você, bobinha."

Olhos de Dash esbugalharam-se, o rosto contorceu-se de medo. Então ela começou a rir "Woow, você realmente me pegou, Pinkie Pie. Quero dizer, me enganar para pensar que eu iria virar um cupcake. Tenho que te dizer, esta a melhor pegadinha que você ja fez. Você ganhou, você é a melhor. "

Pinkie riu ainda mais. "Ah, que graça Dash. Mas eu não fiz pegadinhas hoje, então eu não posso aceitar os seus creditos. "

Dash estava entrando en panico novamente. "Pinkie, vamos lá, isso não é engraçado."

"Então por que você está rindo?" Pinkie pegou o pano e chicoteado-o para fora do carrinho. A parte superior da bandeja continha várias ferramentas médicas cortantes e facas cuidadosamente organizadas e prontas para a ação. Havia um saco de medicinas e vários outros objetos próximos a ele.

Dash estava agora em modo de pânico total. Ela estava começando a hiperventilar. Sua mente estava correndo e ela tentou argumentar com a pônei rosa. "Você não pode fazer isso Pinkie! Eu sou sua amiga! "

"Eu sei que você é e é por isso que estou tão feliz que é você que eu tenho aqui. Nós começamos a compartilhar seus últimos momentos juntas, só você e eu. "Ela estava pulando novamente.

"Mas, os outros pôneis vão saber que eu não estou. Quando as nuvens se acumulam, eles vão me procurar e, em seguida, você vai ser descoberta. "Dash estava desesperada.

"Ai Dash", disse Pinkie "não se preocupe, há um monte de pegasus para cuidar de algumas nuvens. E, além disso, não vão descobrir. Quero dizer, quanto tempo você acha que eu venho fazendo isso? "E algumas luzes de repente vieram a vida e mostram o resto da sala.

"Oh Deus, não" Dash cambaleou com o horror da imagem apresentada a ela. O quarto era decorado com um toque típico, mas retorcido da Pinkie Pie. Partes coloridas da entranhas secas dançavam ao redor do teto, caveiras pintadas de todos os tamanhos foram presos nas paredes, e os órgãos feitos em tons pastéis cheios de hélio amarrados às costas das cadeiras. As mesas e cadeiras eram feitas de ossos e carne estragada de pôneis. Dash encolheu-se a peça central na mesa mais próxima a ela. Os chefes de quatro potros, os olhos fechados como se estivesse dormindo, usando chapéus de festa feitos a partir da própria pele deles. Ela reconheceu um deles como um colega de classe da Apple Bloom. Seus olhos corriam para trás e para a frente e, em seguida, olhou para a bandeira de patchwork pendurado nas vigas. Feita a partir de várias peles de pôneis, as palavras "A vida é uma festa" foram rabiscados em vermelho sangue.

Atenção de Dash foi roubada por um desabrochar de um chifre e cócegas seu nariz. Ela viu Pinkie Pie em pé na frente dela. A pônei estava usando um vestido acolchoado de marcas de cortes. Em suas costas vibravam seis asas de pegasus, de todas as cores diferentes. Como ela pulou de excitação, seu colar de chifres de unicórnio se chocaram juntos.

"Gostou?" Ela perguntou: "Fui eu que fiz."

Dash implorou. "Pinkie por favor, me desculpe se eu fiz alguma coisa para você. Eu não quis dizer isso. Por favor, me deixa ir. Eu prometo que não vou contar pra ninguém. "

"Oh Dash, você não fez nada. É que o sua vez chegou e, bem, eu não faço as regras. Nós não podemos voltar atrás agora. "

Rainbow Dash estava chorando. Como isso pode estar acontecendo?

"Ahhh, não fique triste, Dash", disse Pinkie "Olha isso vai te animar. Eu trouxe um amigo pra você. "

Aparentemente do nada, Pinkie exibida uma caveira pintada de azul e amarelo. Tinha o porte de pônei, mas tinha uma característica muito marcante: um bico.

Dash estava surtando. "O ... O que ... é ... isso?"

"Ei, Dash vamos sair juntos. Estes pôneis são chaatos. Dweebs dweebs dweebs. "Pinkie imitou. "Eu peguei a peguei antes de sair da cidade. Lembre-se de quando eu saí da festa por cerca de vinte minutos? Isso não foi tempo suficiente para brincar com ela, é claro, eu tive que esperar até depois da festa para fazer isso. Mas, cara, estou feliz que eu o tenha feito. Valeu a pena pelo sabor em si. Griffons gosto de dois animais de uma só vez, é incrível. Eu sei que ela não tinha númeração como todos os outros em Ponville, mas quando eu ia ter outra chance de esperimentar um grifo? Quando eu penso, eu provavelmente deveria ter perguntado de onde ela veio para que eu pudesse ter mais, mas eu esqueci. Eu vou te dizer uma coisa, ela era bastante resistente. Durou muito tempo, mas foi muito divertido para mim, eu tenho poucas chances de brincar com alguém que não seja um pônei e tentar coisas novas. É muito ruim que ela tivesse uma boca tão suja. Ela disse tanta coisa ruim, eu tive que cortar a língua dela fora. Você sabe, linguagem ruim gera sentimentos ruins, Dash. "

Traço não tinha nada a dizer. Ela só chorava e se contorcia.

"Bem", disse Pinkie, colocando o crânio na mesa ", chega de papo, é hora de começar." Ela pegou um bisturi e caminhou até o flanco direito de Dash. Sem qualquer talento, ela colocou a lâmina de um centímetro acima sua marca gracinha e começou um corte circular em torno dele. Seus pulmões trabalham horas extras, Dash gritou de dor e tentou desesperadamente se afastar. Mas as chaves a manteram imóvel. Finalizando a incisão, Pinkie pegou a faca de esfolar na curva da bandeja. Trabalhando sob a pele e a pele cortada para longe do músculo. Dash  rangeu os dentes quando ela entre lágrimas viu como sua carne ser retirada. Pinkie então se movido para o outro lado e terminou o outro flanco. Uma vez que foi feito, Pinkie levantou as duas marcas do corte na frente de sua amiga e começou a acenar-lhes como pompons de lideres de torcida. Dash apenas choramingou. Suas coxas queimavam de dor.

Colocando a pele para baixo, Pinkie selecionou a grande faca de açougueiro e caminhou atrás de Rainbow Dash.

"Espero que você não se importe, eu acho que eu vou improvisar agora. "Pinkie riu. Ela pegou a asa esquerda e brincou com ela por um segundo. Então, estendeu a asa, ela trouxe a lâmina rapidamente para baixo na base do corpo. Instantaneamente, Dash gritava e se debatia em seu apêndice. O movimento fez Pinkie Pie perder a pontaria. Ela tentou cortar a asa novamente, mas errou o lugar e acabou por cortar uma grande fatia nas costas de Rainbow.

"Dash, você tem que ficar quieta ou eu vou continuar errando."

Ela tomou outro golpe e acertou o alvo. Ela acertou de novo e de novo, o sangue se pulverizava para o ar, mas percebeu que ela não estava chegando a lugar nenhum. A lâmina não estava atravessando o osso.

"Hmm, eu acho que eu esqueci de apontá-la. Vou tentar outra coisa "Ela afirmou que ela jogou a faca por cima do ombro;. A lâmina em si se incorporou na parede.

O Rainbow Dash mesmo chorando ouviu o som da abertura e fechamento de uma caixa de metal.

"Agora entendi! Diga Dash, por que eles chamam isso de serrote? Não serra, corta e era o que eu estava fazendo com a faca. Esta é uma serra. Eu não entendo. "

Pinkie colocou a ferramenta sobre o lugar da última tentativa. E ela facilmente navegou através do osso e pele. A sensação dolorosa dos dentes da serra serrando nela fez Dash querer vomitar. Ela assistiu, impotente, suas asas de voou sobre a cabeça com terra com uma penugem sobre a mesa. Pinkie moveu-se a próxima e começou a serrar. Dash não lutou desta vez, ela tinha desistido de tentar lutar e só chorava. Em seguida, a serragem abruptamente interrompida. Pinkie foi apenas até metade do caminho feito, a asa se pendurava apenas por uma pequena parte.

"Ei Dash!", ela saltou "pensa rápido"

De repente, ela arrancou a asa tão bruscamente e com tanta certeza como podia. O osso quebrou, mas a pele segurou firme. Outro puxão arrancou uma longa tira de carne pelas costas pelo traço de sua garupa. O trauma inesperado causou a saida de grandes quantidades de sangue. Ela sentia a liberação quente do liquido entre as pernas tanto como na pélvis tensa. O grito alto de Dash, a interminável de dor encheu a sala. Incapaz de recuperar o fôlego, ela desmaiou.

Ela acordou com um suspiro. O cheiro de sua urina encheu suas narinas secas. Ela viu o beicinho de Pinkie Pie ao retirar a agulha adrenalina de seu peito. Pisando seus cascos, frustrada, Pinkie a atacou.

"Não ninguém te ensinou boas maneiras? É muito rude adormecer quando alguém o convida para passar mais tempo com eles. Como gostaria se eu fosse até sua casa e dormir. "Oh, eu estou cansada Dash, você é chata, eu acho que vou tirar uma soneca." Você acha que eu gosto sempre de fazer isso por mim mesma. Eu lhe disse o quão animada eu tenho estado quando eu achei que você era a próxima. Eu estava animada para ter a uma amiga aqui comigo enquanto eu trabalhava. Mas NÃÃÃÃÃO! Você tem que ser imprudente. Você sabe, eu pensei que você era durona, eu pensei que você poderia lidar com qualquer coisa. Eu tive potros de pé melhor que você. Eu tenho que tratar você como um bebê? Huh? É assim que você quer que eu me lembre de você Dash, como um bebê? "

Ela parou para recuperar o fôlego. Dash piscou e suavemente chorou. As costas dela estava em chamas.

Pinkie, em seguida, apareceu estar com algo vermelho em sua boca e começou a mastigar. Ela notou que Dash estava olhando para ela.

Ela perguntou: "O quê?". "Oh isso?" Segurando um outro pedaço. "Bem, enquanto você estava dormindo, eu fiquei um pouco impaciente e não resisti a provar. Tirei da sua perna, você não é ruim. Quer experimentar um pouco?" 

Sem esperar uma resposta, ela empurrou um pedaço de carne na boca de Rainbow Dash, irritada. Ela cuspiu imediatamente para fora. Pinkie pegou. "Se você não quisesse, você poderia ter dito não." Ela então comeu o pedaço ranhoso descartado por Dash. "Não é como se você não tido antes."

Engolindo em seco, ela voltou sua atenção para a pequena lata na bandeja. Ela tirou a tampa, revelando que a lata estava cheia de brasas. Sentada no topo do fogo estavam várias grandes garras metalicas. Dash começou a entrar em pânico novamente. Pinkie pegou a lata e se aproximou de Dash pela esquerda. Escolhendo com cuidado um prego e um martelo, ela posicionou o pico do prego na costura entre sua perna e seu casco.

"Não! Pinkie NÃO! " Dash suplicou. "NÃO! NÃO! "

O martelo desceu e o prego perfurou sob sua pele. As brasas quentes eram demais para ela. Dash puxou e goleou na cinta, esfregou-a em sua pele e a rasgou. Pinkie tentou alinhar outra, mas não conseguiu encontrar seu objetivo. Ela soltou um grunhido frustrado. Quando ela puxou o martelo de volta para tomar um impulso selvagem, Dash desmoronou e começou a chorar e implorar.

"Por favor pare! POR FAVOR, POR FAVOR! "

Pinkie revirou os olhos. Colocando martelo de volta no lugar, ela caminhou de volta na frente de sua amiga. Ela olhou pensativa para o pegasus quebrado. Gilda nem chorou tanto quando ela enfiou um mordedor ao vivo em sua garganta. Pinkie pensou por um minuto sobre o que fazer a seguir. Em seguida, houve uma faísca repentina em sua imaginação. Ela agarrou a roda dentada na prateleira e Rainbow Dash cair sobre suas costas. Ela pegou Dash pelas patas traseiras, trazendo a lata com ela. Pinkie pegou o martelo novamente e ela levou um pedaço ardente de metal na parte inferior do casco da Dash. Dash gritou novamente. Pinkie colocou em outro casco. Em seguida, ela localizou o pequeno gerador na bandeja. Amarrarrou os fios de cobre para as unhas de Dash, ela então deu uma piscadela e apertou o botão. Eletricidade disparou através do corpo de Dash. O pônei azul reagiu imediatamente; corpo apreendidos, músculos bateram firmes. Seus quadris empurrados em direção ao céu e seus olhos esbugalhados. Ela deixou escapar um grito rasgando sua garganta profundamente. Pinkie riu e dançou no mesmo lugar. Ela aumentou a potencia. Dash convulsionou incontrolavelmente. Sua bexiga se esvazou mais uma vez.

Após cerca de cinco minutos, Pinkie desligou a energia. A área cheirava levemente a carne cozida e esmalte queimado. Ela colocou Dash em vertical novamente e tentou tirar o pônei que estava delirando e babando para voltar a realidade.

"Dash. Daaash. Acorde. "Rainbow Dash conseguiu dar-lhe um pouco de reconhecimento porem muito fraco.

Pinkie enfiou a mão no saco de medicina e retirou uma grande seringa. "Tudo bem, é hora da última rodada"

Dash olhou para a agulha e Pinkie tomou isso como uma forma de saber o que era.

"Algo para tirar a dor", ela informou que ela deu a volta em Dash do lado que ella habia arruinado. Ela enfiou a agulha na parte inferior de sua coluna vertebral. Dash se encolheu.

Vindo para a frente de novo, ela disse a amiga: "Em poucos minutos, você não vai ser capaz de sentir qualquer coisa abaixo de seu cranio. Mas você vai ser capaz de ficar acordado para assistir a retirada. "

Dash começou a chorar novamente. "Pinkie" ela tremia.

"Sim?"

"Eu quero ir para casa." Dash chorou abertamente.

"Sim, eu posso ver que você está querendo fazer isso." A pônei respondeu. "Às vezes, eu só quero desistir, dizer" eu estou cansada dessa bagunça "e ir para a cama. Mas você sabe o que, você não pode livrar-se de suas responsabilidades. Você tem que se levantar e enfrentar os desafios de cabeça erguida. Essa é a única maneira que você vai chegar à frente na vida. "

Dash gritou.

Minutos se passaram e a droga teve efeito. Dash estava dormente de seu peito a seus flancos. Consciente disto, Pinkie aproximou com seu bisturi. Com apenas um olhar sorridente para Dash, ela fez um corte longo em toda a sua pélvis logo acima de sua virilha. Movendo-se de seu corpo, ela desenhou uma incisão semelhante em suas costelas. Um corte final foi feito por seu estômago, que ligava os dois primeiros.

"Parece que eu peguei você, Dash."

Com um som úmido, pegajosos, de coisas caindo, batendo no chão. A visão de seus próprios órgãos e a falta de sentimento causaram respiração de Dash a se intensificar. Pinkie cortou em aberto o saco abdominal da ponei azul e agarrou o intestino grosso. Separando-o do resto do aparelho digestivo e puxando-os da cavidade de formação, Pinkie estava ficando jovial e começando a fazer piadas. Dash, ficando mais fraca da nova fonte de perda de sangue, tentou fechar o ato de comédia. Pinkie estava rindo.

"Olhe para mim, sou Raridade!", Disse ela, atirando o tubo em torno de seu pescoço e espalhando sangue em todas as direções. "O meu novo cachecol não é tããããão lindo?"

Colocando de volta o intestino no chão, ela cortou o menor intestino fora do lugar. Espremendo o excesso dos excrementos, Pinkie o pôs entre os dentes e arrastou-o para trás e para frente. "Os dentistas dizem que você tem que usar fio dental todos os dias, Dash."

Rainbow Dash mal tinha consciência do que estava acontecendo mais. O choque foi fazendo a sua mente desaparecer. Pinkie ficou desapontada. Mergulhando de volta para a coragem, ela retomou sua rotina.

"Ah, ainda não se va Dash." Ela começou a puxar o resto dos órgãos, retirando-os um por um. "Eu sei que pode ser um verdadeiro pancrico, mas você sabe que eu sou apenas de riem com você e nunca de você. Você realmente tem que aprender a fingadoar. Rapaz, essas piadas estão ficando hilaRINasticas. Adivinha ja conseguiu desenvolver um estômago para elas. "Ela colocou as partes do corpo descartados em um balde, mantendo o último para mais tarde. "Ooo, gaitas de foles.", Disse ela, colocando o tubo em sua boca e o órgão em sua axila. Um jorro de ácido bateu sua língua. "Eca. Oh ei, acho que era o seu cupcake, Dash. "

Dash, não a ouviu. Ela deixou a conciencia alguns minutos atrás. Pinkie, ainda não satisfeita, injetou outro tiro de adrenalina. Dash acordou pela última vez, seu coração saltava. O sangue fluia mais rápido, não demoraria muito mais agora.

"Você sabe, Rainbow Dash, estou decepcionada. Pensei que teria durado mais tempo. Eu realmente queria passar mais tempo com você antes de chegarmos aqui. Mas eu acho que a culpa é minha, eu deveria ter tido um pouco mais lenta com isso. Oh bem, realmente foi bom te conhecer, Dash ".

A lâmina afundou no azul de sua garganta e fez seu caminho até o queixo. Voltando para baixo, ele circulou em volta do pescoço. O bisturi era a última coisa que sua pele era cortada ,a partir de seu crânio, o metal raspando com os dentes.

Em seguida, ela se foi.

Pinkie Pie olhou para o espelho. Ela fez um trabalho realmente bom, mesmo mantendo as pálpebras. Ela piscou, Dash piscou de volta. Pinkie Pie sorriu.

Mas ainda assim, ela estava triste que sua amiga tivesse ido embora para sempre. Durou apenas 50 minutos, e não quase tão longo como ela queria. Ela olhou para trás para o cadáver pendurado no centro da sala, deixando o último de seus fluidos cair para a panela que Pinkie pusera para recolher. É, não havia mais Rainbow Dash.

Então Pinkie inclinou a cabeça. Ela estava começando a tomar conhecimento do fato de que há realmente não havia muito dano. "É verdade", ela começou a pensar: "Eu acho que ...." Uma idéia explodiu em sua cabeça. Ela era boa em costura e ela tinha todas as peças, tudo o que ela tinha que fazer colocá-las juntas. Sim, é só pegar algum recheio e bingo, ela teria a Rainbow Dash para sempre. Na verdade, isso é o que ela faria para todos os seus amigos quando seus números vierem à tona. Ela estava tão animada, ela pulou em direção aos corpos com o bisturi para começar. Os cupcakes podem esperar; Pinkie tinha um amigo para fazer.

Silver Spoon, de repente acordou. Ela estava de costas e não podia se mover. Ela não podia ver. Onde ela estava? Enlouquecendo, ela estava prestes a gritar quando o pônei da padaria apareceu na frente dela.

"OI!", Ela riu

"Onde estou, o que está acontecendo?" Perguntou o pequeno potro assustado.

"Oh, bem, veja você, o seu número chegou e eu tenho que fazer cupcakes." Pinkie explicou.

"O... O que .... o que isso significa? Do que você está falando? "

"Ah, nada. Eu não me preocuparia se eu fosse você. Vai ser rapido. "Ela se aproximou da menina, o bisturi estava no pronto quando uma pequena voz gritou por trás.

"Senhorita Pinkie, o que você está fazendo?"

Ela fez uma pausa e virou-se para olhar para a Apple Bloom. A pônei bebê amarelo aproximou-se dela com um olhar irritado em seu rosto. Silver Spoon começou a sentir aliviado.

"Ah não posso acreditar que você está fazendo isso." Ela fez beicinho. "Você disse que este ia ser o meu.

Pinkie desculpou "Oops, desculpe por isso, acho que eu me esqueci. Aqui está. "Ela entregou a lâmina.

Apple Bloom subiu na mesa e ficou de pé sobre sua presa. Silver Spoon tentou lutar. Ela olhou com medo da Apple Bloom e seu avental. O avental rosa com uma tiara brilhante nele. Silver Spoon começou a chorar.

A Apple Bloom sorriu e abrir a boca "Ei, Silver Spoon, adivinha quem vai ser ter um flanco em branco"?


---


Fonte: Creepypasta Wiki
Tradução: Miss Insipida

Gorda

Você quer perder peso? Bem, não procure mais soluções! Eu costumava pesar 100 kg antes de testar esse método, e agora eu diminuí muito: eu mal consigo passar da primeira dezena!

Eu costumava ser chamada de "Fran Balofa" pelos meus colegas da escola. Eles costumava apontar pra mim e gargalhar, enquanto eu abaixava minha cabeça, envergonhada. Quando minha turma fazia uma excursão, eu tinha que me sentar sozinha, não só porque eu não tinha amigos, mas porque todo o meu corpo ocupava um banco para três pessoas. Os alunos jogavam seu lixo na minha cabeça, como se eu fosse uma lata de lixo, dizendo que eu comeria qualquer coisa que me dessem.

Eles estavam certos. Todos estavam. Eu era um ser humano gordo, feio e nojento. Eu chorava até dormir todas as noites e me perguntava, por que eu não posso ser como eles? Por que eu não podia ser como a garota da propaganda, aquela que usava um biquíni vermelho com um sorriso no rosto. Ela estava feliz porque era magra. Eu estava triste porque era gorda. Eu estava cansada de ser gorda. Eu olhei nos olhos da garota e cuspi na cara dela. Eu ia ser como ela. Eu ia ser melhor que ela.

Eu me entupi de donuts, bolo e tudo mais que eu pudesse comer para ganhar peso. Eu comi até meu estômago estar tão cheio que eu sentia que ele ia explodir. Eu comi até cair de exaustão na banheira. Não importava o que eu tinha comido. Eu podia comer o que quisesse. Eu jamais serei gorda de novo.

Eu segurei a faca brilhante na mão, balançando-a graciosamente em frente ao meu rosto. Aquela era a solução para todos os meus problemas. Aquela faca escavaria fora toda a gordura do meu corpo, e deixaria apenas uma menina linda, magra e feliz. Eu posicionei a faca sobre a minha barriga. Era aquilo que eu tinha que fazer. Era ali que toda a minha gordura estava contida.

Eu enfiei a faca fundo o suficiente para que só o cabo ficasse de fora. E eu a arrastei para o outro lado do meu abdômen. Minhas entranhas saíram de lá junto a uma avalanche de sangue. O som "plop" que minhas vísceras fizeram ao caírem na banheira me fez sorrir. Eu estava feliz de novo, toda a dor havia ido embora.

Depois disso, fui para minha cabeça. Eu nunca gostei do quanto ela era redonda, me fazia parecia mais gorda ainda. Eu puxei minhas bochechas e as cortei fora, deixando a pele e a carne caírem na banheira junto com o que eu tinha tirado da minha barriga.

Eu não estava nem na metade do caminho. Não - tinha muito mais gordura para remover. Eu tinha que ser exatamente como a garota na propaganda. Eu tinha que ser magra.

Eu fui para meus braços, pernas, e tudo mais que tinha sobrado, ainda com a garota da propaganda em mente. Uma vez que eu tinha terminado de tirar cada pedaço visível de gordura, eu dei um jeito de ficar em pé na banheira. Meus pés pisavam a pele, vísceras, carne e sangue, fazendo um barulhinho estranho de espremer.

Eu ri quando quase escorreguei na poça de sangue que cobria o chão ladrilhado do banheiro. Engraçado como algo tão repugnante podia produzir algo tão bonito. Minha aparência no espelho era inacreditável. Eu estava completamente diferente: os resultados foram positivos. Eu parecia estar setenta quilos mais magra! Eu estava magra. Nada mais importava. Nem mesmo os ossos saindo da minha pele, nem o exoesqueleto cobrindo visivelmente minha face, nem o sangue caindo do meu olho deslocado em sua órbita, nem a minha boca torta e cortada ao meio, revelando meus dentes brancos, que se curvava em um sorriso.

É bom ser magra. Eu finalmente podia ser feliz. Eu sorri como a garota da propaganda e pisquei para o meu reflexo. Eu rodopiei alegremente. Eu estava tão linda. O som da campainha interrompeu minha diversão. Devem ser os garotos - se enfileirando para terem uma chance de sair comigo - a garota da propaganda. Sim, sou eu! A garota magra, linda e maravilhosa.

Eu dancei alegremente até a porta, ignorando o som incessante da campainha e das sirenes. Eles devem estar ansiosos para me encontrar. Corei - Eu sou assim tão bonita? Eu abro a porta com o mesmo sorriso no rosto, não posso franzir a testa ou todo o meu rosto cairia. Mas eu não tenho motivos para franzir a testa. Era a polícia. Até a polícia queria dar uma olhada em mim! A policial me surpreendeu - o que ela estava fazendo ali? Talvez ela quisesse descobrir o meu segredo para perder peso. Ela estava um pouco cheinha. Nós, garotas magras, não revelamos nossos segredos a gente como ela. Mas o policial à direita dela... ele estava delirante.

Ele estava gritando, e falando com seu comunicador. Eu não consegui entender direito o que ele dizia, porque uma das minhas orelhas havia caído, mas eu consegui ouvir as palavras "pele", "ambulância" e "horrível".

Por um momento, eu me senti tonta. Tentei ignorar, mas antes que eu pudesse me sentar eu desmaiei nos braços do policial. Minha técnica de emagrecimento havia funcionado. Ninguém jamais ia me chamar de "Fran Balofa" de novo.
_________
Fonte: Creepypasta Wiki
Tradução e adaptação: Capitu

sábado, 22 de março de 2014

4 seriais killers bizarros '-'

Ahhhh Lik,você só posta coisas bizarras,sim :) adoron u.u
Mas ok...Oii Dark People,o post de hoje(simmm eu mais uma vez ...) vais ser sobre serial killer...mtu top,confiram:
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fonte:Megacurioso 

1 – Souflikar

Nacionalidade: turca
Número de vítimas: mais de 5 mil
Arma: as próprias mãos
Não, você não leu errado o número de vítimas que caíram pelas mãos de Souflikar. Ele foi o carrasco oficial do sultão Mehmed IV durante o Império Otomano e responsável por executar uma média três pessoas por dia em um período de cinco anos. E o homem não tinha frescura na hora de trabalhar não, dispensando ferramentas comuns em sua atividade — como espadas, machados e forcas. Souflikar estrangulava os condenados com as próprias mãos!
Contudo, não podemos dizer que Souflikar fosse um carrasco injusto, pois ele sempre propunha um trato a suas vítimas: ambos tinham que apostar uma corrida através dos jardins reais até o local das execuções e, se o condenado perdesse...
O problema — para os pobres coitados — é que, além de ter mãos fortes, Souflikar aparentemente era um verdadeiro velocista, pois nunca chegava por último.

2 – Johann Unterweger

Fonte da imagem: Reprodução/Bio True Story
Nacionalidade: austríaca
Número de vítimas: entre 10 e 15
Arma: sutiãs
Embora Unterweger, o serial killer da foto, fosse figurinha carimbada nas cadeias por cometer crimes pequenos, em meados da década de 70 ele foi condenado à prisão perpétua por estrangular prostitutas com seus sutiãs. No entanto, depois de preso, o assassino começou a escrever e, surpreendentemente, seu incrível talento chamou a atenção da elite literária da Áustria, que iniciou uma extensa campanha pela libertação de Unterweger.
A campanha deu certo, e o estrangulador não só saiu da prisão, como começou a trabalhar como apresentador de TV e a participar de debates sobre a reabilitação de detentos. Mas sabe como são os velhos costumes... Unterweger estrangulou seis mulheres durante seu primeiro ano em liberdade na Áustria e, antes de ser descoberto, viajou a Los Angeles, onde matou outras três prostitutas.
Desta vez seus fãs literários não puderam ajudar, e o assassino foi capturado pelas autoridades norte-americanas, extraditado e novamente condenado. Depois de voltar para a prisão, Unterweger cometeu suicídio, mas não por sentir culpa pelas pobres mulheres que matou! Aparentemente, ele teve um bloqueio criativo e se enforcou em sua cela.

3 – Rodney Alcala

Fonte da imagem: Reprodução/Daily Mail
Nacionalidade: norte-americana
Número de vítimas: provavelmente 130
Arma: lábia
O malucão da imagem acima foi condenado pelo assassinato de cinco mulheres e se encontra atualmente no corredor da morte aguardando sua execução. Contudo, depois de preso, ele admitiu ter matado outras trinta jovens, e as autoridades norte-americanas acreditam que ele seja o responsável por um total de 130 mortes. Os crimes ocorreram na década de 70, e Alcala — o assassino — usava a desculpa de que era fotógrafo para atrair as vítimas.
No entanto, o mais curioso e bizarro sobre o caso é que, enquanto praticava ativamente seus crimes, Alcala participou (e venceu!) de um programa de encontros semelhante ao quadro “Vai Dar Namoro”, apresentado no “O Melhor do Brasil”. Por sorte, a moça que escolheu — a dedo — esse maluco achou o pretendente meio estranho ao final do concurso e desistiu de sair com ele.

4 – Robert Hansen

Fonte da imagem: Reprodução/Butcher, Baker
Nacionalidade: norte-americana
Número de vítimas: entre 17 e 21
Arma: rifles de caça
Conhecido como exemplo de pai e excelente padeiro, Robert Hansen — ou simplesmente Bob — passou a ser considerado como o maior serial killer do Alasca depois de ser condenado por sequestrar, violentar e assassinar um número estimado entre 17 e 21 mulheres. Hansen era um caçador voraz, mas em algum momento ao longo de sua carreira se cansou de caçar apenas animais e passou a praticar uma espécie de safari humano com prostitutas e strippers.
Bob capturava suas vítimas, as levava de avião até uma cabana que possuía em uma área remota e as mantinha como escravas durante vários dias. Quando se cansava, soltava as mulheres nuas na floresta — algumas vezes com os olhos vendados — e as caçava como animais enquanto tentavam fugir desesperadas. O caçador foi preso depois que uma das mulheres conseguiu escapar e avisou a polícia e foi condenado a 461 anos de prisão.
Viu algum erro ou gostaria de adicionar uma sugestão para atualizarmos esta matéria? Colabore com o autor clicando aqui!